Mário Machado - desmentido de ameaças a procuradora

Devido às últimas notícias veiculadas nos orgãos de desinformação social sobre um eventual apelo que Mário Machado teria feito para que a Procuradora a soldo da Inquisição, vilã pouco cândida, fosse importunada, temos a dizer o seguinte:

- Jamais essa senhora foi ameaçada por Mário Machado, ou este pretendeu que alguém o fizesse, e isso constata-se facilmente pela leitura da sua carta (a qual se reproduz anteriormente e na íntegra).

De qualquer forma importa esclarecer que, quando o seu nome foi referido, dizendo-se que esta não podia ser esquecida pelos nacionalistas, tal resulta porque é esse o nome que assina os autos inquisitoriais constantes do processo de que estamos a ser vítimas, e este processo não pode ser nunca esquecido, não só por nós como por qualquer cidadão que defenda o Estado de Direito.

Conseguem ainda, os pseudo-jornalistas, a enorme proeza de anunciar que a carta revelava dados da vida privada da senhora, quando a única menção a essa suposta vida é a alusão a uma ameaça de vingança pessoal mas vinda precisamente da dita Procuradora, ao referir-se aos arguidos deste processo dizendo que têm de pagar por aquilo que o seu pai sofreu com a PIDE.

Seria fácil a qualquer jornalista constatar isto, se realmente o pretendesse fazer e não limitar-se a publicar e repetir falsas notícias, encomendadas pela mesma inquisição que lançou este brutal ataque à liberdade de expressão e opinião.

Mas o que seria ainda mais estranho é um elemento de um orgão de investigação criminal, com poderes suficientes para abrir inquéritos e investigações, ser ameaçado mas, ao mesmo tempo, esse mesmo orgão vir dizer que não existe nenhum inquérito.

Ou seja, no país em que se abrem inquéritos por tudo e por nada - que depois se colocam na gaveta, é certo - logo Mário Machado, o alvo principal da Inquisição, seria poupado por aqueles que já o colocaram "preventivamente" na prisão!

E ainda se estivesse em causa um qualquer cidadão, sem meios ou dinheiro, compreenderia-se o recurso a televisões e jornais para "denunciar" o caso, mas uma Magistrada do Ministério Público?! Haja decoro e vergonha na cara - gente sem escrúpulos, manipuladora e mesquinha!

A propósito, há várias personalidades da nossa vida pública que já se referiram à reforma do Código de Processo Penal como sendo encomendado a propósito do caso Casa Pia, por este ter como arguidos, suspeitos de violações a menores, políticos e apresentadores - todos em liberdade, diga-se de passagem.

Mas a nenhum desses jornaleiros parece fazer confusão o facto de ter sido um ministro do actual governo, Rui Pereira, o responsável por essa reforma, ministro esse que tem saltado de tacho em tacho, o que só revela a sua inaptidão para cada um desses cargos e sugere tratar-se de mais um "boy" ao serviço do governo dito socialista - sobre o qual, lembre-se, João Cravinho voltou a dizer haver suspeitas de obscuridades, tráficos de influências, e corrupção.

Ou seja, implicitamente percebe-se que aquelas alterações tiveram motivação política, vindas de um governo que prometeu combater a corrupção mas cujas alterações, no Código de Processo Penal, deixam de prever a prisão preventiva para eles, os corruptos.

Acresce que, esses mesmos políticos de um sistema que preferiu ignorar pedófilos, assassinos, e violadores, apressadamente e fora de prazo vieram acusar nacionalistas do crime de discriminação racial, por via de opiniões escritas, para, dessa forma, apresentarem uma moldura penal que "justifique" a aplicação de fortes medidas de coacção.

Um claro e brutal ataque à liberdade de expressão, opinião, e contra o Estado de Direito, que os diversos jornaleiros e comentadores preferem ignorar, visto que comem todos da mesma gamela e alinham todos pela mesma cartilha.

Mais, juntaram processos de delito comum, de arguidos que nem se conhecem, para assim acusarem todos por igual em co-autoria, e com isso fazerem páginas de jornais onde dizem que Mário Machado está "acusado de dezenas de crimes", o que é falso, até porque essa co-autoria é uma completa mentira e deturpação que surge inventada pelo próprio Ministério Público.

O mesmo se passa em relação ao homicídio ocorrido no chamado Caso Bairro Alto, com o qual Mário Machado não tem relação mas que se insiste nas páginas de jornais em associar o seu nome ao mesmo, e isto é fácil de constatar, simplesmente porque não é possível que um "envolvido num homicídio" seja condenado a apenas 2 anos de prisão, como foi o seu caso, mas por participação em rixa e não nesse, ou noutro qualquer, homicídio.

Em conclusão, e sobre o assunto da carta, essa senhora não foi ameaçada, qualquer ameaça desse ou doutro tipo que lhe seja feita é condenável, e fica um apelo para que todos os que lerem esta carta tenham a noção que quase tudo o que se tem escrito e dito sobre os nacionalistas em geral e este processo em particular é... mentira!

1 comentário:

joao disse...

CONTINUAMOS CONTIGO CAMARADA MARIO OS TEUS AMIGOS DA JUVENTUDE LEONINA,EM PARTICULAR O QUE TREINAVA CONTIGO EM LOURES NO CORPUS E TU SABES QUEM SOU,FORÇA NA TUA LUTA AMIGO E VENCERÁS,POIS QUANTO MAIS REPRIMIDO MAIS FORTE TE TORNARÁS!